fbpx
Embarrassed young engineer of factory reading notification in smartphone and touching his forehead

Quais os casos de rescisão trabalhista que podem prejudicar o trabalhador?

Quando um vínculo entre empresa e funcionário é encerrado ocorre a rescisão de um contrato de trabalho. Isso gera sequência de obrigações e direitos para ambos. As razões para se decidir pelo desligamento são muitas e para cada uma delas existem regras específicas. 

Ninguém gosta de ser mandado embora, mas é inevitável. Se for assim, a melhor opção para o trabalhador é ser demitido sem justa causa para que ele tenha acesso a todos os direitos como aviso-prévio, seguro-desemprego e saque do FGTS.

Porém, existem outras maneiras para se rescindir um contrato de trabalho,  que podem prejudicar o trabalhador. Confira algumas delas:

Demissão sem justa causa

Ocorre quando o empregado comete alguma falta grave que leva o empregador a desejar o fim do contrato de trabalho. Os motivos principais para a demissão devem ser os que estão elencados no artigo 482 da CLT como abandono de emprego, improbidade, condenação criminal, entre outros. 

Nesse caso, o trabalhador perde vários direitos, restando apenas o recebimento do saldo de salário dos dias trabalhados naquele mês e eventuais férias vencidas, acrescidas de 1/3 referente a abono constitucional.

Pedido de demissão pelo empregado

Na demissão por pedido motivado pelo empregado, o mesmo perde o direito ao recebimento do seguro-desemprego e da multa de 40% sobre o valor do saldo do FGTS. As outras verbas, como férias proporcionais acrescidas de 1/3, horas extras e 13º salário por exemplo, continuam a ser devidas pelo empregador.

Demissão acordada

A reforma trabalhista criou essa nova modalidade de demissão, que antes não estava prevista pela CLT, para legalizar o acordo entre as partes.

Nessa situação, o trabalhador perde menos direitos, mas ainda assim sai prejudicado, pois tem direito a metade do aviso-prévio, multa do FGTS de 20% ao invés de 40% e  saque de 80% do saldo do FGTS. Além disso, perde o direito ao seguro-desemprego.

Dispensa por culpa recíproca 

Ocorre quando ambas as partes – empregador e empregado – descumprem algum dever ou alguma obrigação legal ou contratual, tornando impossível a continuidade do vínculo. De acordo com o artigo 484 da CLT, a rescisão do contrato de trabalho por culpa recíproca somente ocorre por decisão judicial.

Nesse caso, o empregado tem direito às mesmas verbas trabalhistas da dispensa sem justa causa.

Força maior

De acordo com o art. 501 da CLT, entende-se como força maior todo acontecimento inevitável em relação à vontade do empregador, sem que ele tenha contribuído direta ou indiretamente para que o fato ocorresse. 

A força maior pressupõe acontecimento grave, imprevisível, involuntário e causado por fator externo. Nessas circunstâncias, alguns direitos trabalhistas podem ser relativizados.

A lei possibilita que, nesse caso, a empresa pague só metade da multa do FGTS que o empregado demitido sem justa causa teria direito. Ou seja, 20% do saldo, em vez de 40%. Para alguns, outras verbas rescisórias também poderiam ser reduzidas pela metade, como férias e adicional de férias.

Nós, do escritório Vieira Côrtes Advogados, seguiremos compartilhando informações importantes relacionadas à economia. Ficou com dúvidas? Entre em contato estamos à disposição para orientá-lo.

Compartilhar Notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Share on email

Últimas Notícias

Categorias

Endereço

Rua do Carmo, nº17 - 1º Andar - Castelo - Centro do Rio de Janeiro, CEP: 20011-020

© 2020 Vieira Côrtes – Todos direitos reservados. Desenvolvido por 3MIND.

Open chat